Cigano bate Lewis por nocaute técnico no UFC Wichita e se reaproxima do cinturão

Ex-campeão peso-pesado do Ultimate vence na luta principal do evento realizado no Kansas, sábado, emplaca o terceiro triunfo consecutivo e canta parabéns para o filho no octógono

A boa fase, definitivamente, está de volta. Junior Cigano, que desde a época que detinha o cinturão peso-pesado, há cerca de sete anos, não atravessava um momento tão bom, venceu Derrick Lewis por nocaute técnico a 1m58s do segundo round na luta principal do UFC Wichita, no Kansas (EUA), na noite de sábado.

– Obrigado, Wichita! Eu passei por ótimos momentos aqui! Estou me sentindo muito bem. Eu tinha combinações, trabalhei em cima disso, sabíamos que ia pegar alguma hora. Hoje é aniversário do meu filho Bento e queria que todo mundo cantasse comigo “Parabéns para você”. Como esse caras podem estar na minha frente (no ranking)? Eu quero minha chance pelo cinturão – declarou Cigano, atendido pela torcida.

Algoz de Blagoy Ivanov e Tai Tuivasa, em 2018, Cigano anotou a terceira vitória seguida, se aproximando da disputa do título, cujo dono atual é Daniel Cormier. Derrick Lewis, que perdeu justamente para “DC” no ano passado, amarga dois reveses consecutivos, algo inédito na carreira.

No segundo round, Lewis investiu nos chutes altos, baixos e até saltando. Cigano, ligeiro, conseguia se desvencilhar ao fugir das investidas de um oponente bem mais lento. Após acertar a mão direita em cheio no rosto de Derrick Lewis, Cigano conectou ótima sequência. O americano bambeou, tentou se afastar, mas as pernas fraquejantes o fizeram cair. O ex-campeão, então, golpeou o rival seguidamente no solo e obrigou Herb Dean a interromper o confronto.

UFC Wichita
9 de março de 2019, no Kansas (EUA)
CARD PRINCIPAL
Junior Cigano venceu Derrick Lewis por nocaute técnico a 1m58s do R2 

A luta

Junior Cigano e Derrick Lewis buscaram a aproximação no começo do primeiro round. “The Black Beast” deu uma joelhada voadora, Cigano arriscou um chute giratório e foi acertado pela mão direita do americano. O ex-campeão soltou a mão direita, balançou Lewis, que devolveu na mesma moeda. O brasileiro se afastou para respirar, e eles voltaram ao centro do octógono. Estático, Lewis procurava a melhor hora para golpear, enquanto o catarinense conectava jabs na linha de cintura e se movimentava para tentar surpreender o oponente, apoiado pelos gritos da torcida. No ponto alto da primeira etapa, Cigano acertou um chute rodado em cheio na linha de cintura de Derrick Lewis, que se curvou, acusando o golpe. Entretanto, o americano soltou o braço na direção de Cigano de forma surpreendente, forçando o brasileiro a mostrar agilidade e rapidez para se defender e evitar receber o golpe, que poderia ter sido decisivo, em cheio. Em seguida, Lewis voltou a ficar curvado, porém, ressabiado, o ex-campeão não avançou com o mesmo ímpeto em sua direção.

Por Combate.com — Wichita, EUA

10/03/2019 00h51  

Amanda Nunes tem o dobro de golpes conectados nas rivais em lutas pelo cinturão no UFC

Com base em site de estatísticas, números mostram que a Leoa foi pouco tocada diante de Ronda Rousey, Cris Cyborg e Miesha Tate, todas derrotadas pela brasileira ainda no primeiro round

Por Combate.com — Rio de Janeiro

 

Amanda Nunes está invicta desde março de 2015, somando oito vitórias seguidas desde então, todas já no Ultimate. A lutadora baiana de 30 anos já teve pela frente três ex-campeãs da organização nesse período: Miesha Tate, Ronda Rousey e Cris Cyborg. Nada e nem ninguém, porém, parece poder parar a Leoa dentro da jaula. O Combate.com – com base no site FightMetric – analisou as estatísticas das cinco lutas de Amanda com o cinturão em jogo e concluiu que ela foi implacável com quase todas as rivais.

A campeã dupla do UFC recebeu um total de 149 golpes significativos nas últimas cinco lutas, enquanto disparou quase o dobro: 290. O próximo compromisso da baiana de Pojuca ainda é uma incógnita, apesar de já sinalizar que não pretende fazer imediatamente uma revanche com Cyborg e querer defender o cinturão peso-galo.

Em julho de 2016, Amanda Nunes estrelou o UFC 200, em Las Vegas, diante da então campeã Miesha Tate. A americana durou apenas 3m16 em cima do cage com a baiana, e conseguiu atingí-la com apenas três golpes significativos. No mesmo período, a brasileira conectou 40 golpes. No fim, Amanda Nunes saía do octógono campeã peso-galo (até 61,2kg) do Ultimate.

No UFC 207, em dezembro de 2016, Amanda tinha diante de si o maior nome da história do MMA feminino: Ronda Rousey. A ex-campeã voltava à ativa depois de um ano parada após perder o cinturão, mas só conseguiu ficar de pé por 48 segundos com a brasileira em Las Vegas. A americana conseguiu conectar apenas sete golpes significativos, enquanto Amanda conectou 27 dos 47 que tentou e venceu por nocaute.

A segunda defesa de título de Amanda Nunes foi a mais dura nesse período, numa revanche que mostraria que não é fácil encarar Valentina Shevchenko. No UFC 215, em Edmonton, Canadá, ela bateu a quirguistanesa mais uma vez, e conectou 86 golpes significativos. De volta, levou 72 golpes, num duelo que terminou com vitória por decisão dividida. A vitória da brasileira pode ser explicada ainda com outro número, como as duas quedas aplicada por Amanda – ambas no quinto round – e nenhuma de Valentina.

Na defesa seguinte de título, Amanda Nunes enfrentou a amiga Raquel Pennington no UFC Rio 9 e foi dominante por todo o combate. Foram 124 golpes conectados na americana, que devolveu 64 golpes significativos, quase metade da brasileira. A vitória da Leoa na capital carioca veio por nocaute aos 2m36 do quinto round.

Por fim, subindo ao peso-pena (até 65,8kg) para desafiar a então campeã Cris Cyborg, Amanda Nunes mais uma vez foi feroz. Diante de uma adversária invicta há 13 anos, ela precisou de apenas 51 segundos para nocautear a paranaense com 13 golpes significativos, ou seja, 61% dos golpes que tentou do total de 21 disparados. De volta, Cyborg conectou apenas três, incapazes de derrubar Amanda Nunes.

 

Holloway garante que está ‘saudável’ e Ortega comenta: ‘Rezo para que ele esteja bem’

Max Holloway e Brian Ortega farão um dos confrontos mais aguardados do ano no próximo sábado (8), na luta principal do UFC 231, que acontecerá em Toronto, no Canadá. Atual campeão peso-pena da organização, Holloway colocará o seu título em jogo pela segunda vez.

Em entrevista ao programa “The MMA Hour”, Max comentou sobre o episódio ocorrido no UFC 226, em julho, quando a luta contra Ortega foi cancelada com apenas três dias de antecedência após o campeão ter uma suspeita de concussão. Os exames feitos antes da luta do UFC 231 não apontam problemas, mas ele segue tentando entender o que aconteceu na ocasião.

“Não sabemos. Fizemos testes para o que imaginávamos. Fizemos, passamos e todos os resultados vieram ótimos, então, veremos em breve. Eu ainda estou fazendo uma investigação privada para entender o que aconteceu, porque ainda estamos tentando descobrir. No fim, não é aquilo que pensavam, então não posso comentar muito porque ainda estamos investigando”, disse Holloway.

Do outro lado, Brian mostra preocupação com o estado de saúde do oponente. Em entrevista recente ao site MMA Fighting, ele comentou sobre Holloway não saber o que está acontecendo, e espera que ele esteja bem para o duelo de sábado.

“Fizemos um show no Canadá e foi a primeira vez que ouvi. Ele disse que não sabia o que era, eu olhei pra ele e pensei: ‘Como assim você não sabe o que é? Você está falando sério?’ E estamos marcados para lutar daqui a pouco. Eu não sei. Rezo por ele e espero que esteja bem”, revelou Brian, que está invicto no MMA, com 14 vitórias contabilizadas.

 

Edson Pânico enfrentou Diego Dias e venceu ainda no primeiro round

A última luta da noite deste sábado (27), na arena de luta montada no Shopping Bela Vista era aguardada pelo grande público que queria saber quem levaria o cinturão da categoria Meio Médio, até 77kg, neste Qualify Combate – BrazilMMA. Edson Pânico enfrentou Diego Dias e venceu ainda no primeiro round. Um nocaute técnico no início do combate acabou com a esperança de uma luta mais disputada entre os oponentes. Pânico venceu e levou o cinturão de sua categoria.

Disputa de MMA agita shopping de Salvador

Qualify Combat tem programação a partir desta quinta no Shopping Bela Vista e 10 lutas no sábado

Grandes nomes do MMA nacional desembarcam em Salvador esta semana para a maior competição da modalidade no Norte e Nordeste. Em sua 7º edição, o Qualify Combat acontece no próximo sábado (27), às 17 horas, no Shopping Bela Vista. Serão 10 lutas de atletas profissionais da Bahia, Rio de Janeiro, Goiás, Sergipe e Alagoas.
O evento é gratuito, mas serão comercializadas mesas e cadeiras com visão privilegiada do octógono montado na praça principal do shopping. Há a opção também de assistir de casa com a transmissão em pay-per-view do site Brazil MMA (www.brazilmma.com.br).
Para esta edição, outra novidade é que os amantes do esporte terão a oportunidade de conhecer mais do MMA em atividades do Fight Week, que a organização do evento oferece a partir da quinta-feira (25) no local. A programação conta com bate-papo de mestres, treino aberto, exibição de técnicas e palestras.
O mestre Renato Castro, um dos organizadores do evento, afirma que a programação e o card de lutadores do Qualify Combat foram pensados para projetar o evento nacionalmente. “As expectativas estão sendo as melhores possíveis. Estamos com uma excelente aceitação, não só em Salvador, mas nacionalmente. Montamos uma grande estrutura, em parceria com o shopping, e estamos trazendo os melhores atletas para um card muito forte”, destaca.
É esperado um público de mais de 3 mil pessoas que vai poder conferir a atuação de algumas estrelas do MMA brasileiro, com lutadores da envergadura de Edson Pânico, Máquina da Dor, Diego Dias, Yago Codorninha, Betão Nogueira, Fabrício Alagoinhas e Rodrigo Lídio.

CONFIRA O CARD DE LUTAS:

Categoria Médio até 70kg:
Tiago Calheiros (Bahia) x Joca Almeida (Bahia)

Categoria Palha 52kg:
Gajão Junior (Bahia) x João Antunes “Skilo” (Bahia)
Yago “Codorninha” (Minas Gerais) x Marlon Kid (Rio de Janeiro)
Dôglas “Puro Osso” (Bahia) x Fredson Moreira (Bahia)

Disputa de Cinturão Leve 70kg:
Rodrigo Lídio (Bahia) x Arthur Thai (Minas Gerais)

Disputa de Cinturão Pena 66kg:
Fabrício Alagoinhas (Sergipe) x Betão Nogueira (Rio de Janeiro)

Disputa de Cinturão Interino Galo 61kg:
Humberto Vieira (Rio de Janeiro) x “Máquina da Dor” (Minas Gerais)

Categoria Galo 61kg:
Layze Cerqueira (Bahia) x Mayra Cantuária (Goiás)

Disputa de Cinturão Meio Médio 77kg:
Diego Dias (Bahia) x Edson “Pânico” (Goiás)

Categoria Meio Pesado 93kg:
Bruno Leonardo (Alagoas) x Herrick Kong (Bahia)

Manuwa sofre lesão, e Anders o substitui contra Marreta na luta principal do UFC SP

Lutador, que já estava em São Paulo, se machuca ao correr e está fora da luta. Eryk Anders aceita assumir o posto diante do brasileiro a cinco dias do evento deste sábado, no Ibirapuera

Brasileira finaliza compatriota e mantém cinturão no Invicta FC 31

Virna Jandiroba, campeã peso-palha, finalizou Janaísa Morandin no segundo round e manteve o cinturão, no evento que é exclusivo para mulheres

 

Campeã peso-palha do Invicta FC, Virna Jandiroba manteve o cinturão na noite de sábado (1), em Kansas City (EUA), na edição 31, ao finalizar a compatriota Janaísa Morandin, no segundo round. A dona do cinturão chegou a 14ª vitória na carreira – sendo 11 por finalização. Essa foi a primeira defesa de título.

Confiante, Jandiroba mostrou todas as credencias de uma campeã para defender o posto. A lutadora dominou as ações a partir do primeiro round. Já no segundo assalto, com a adversária mostrando pouco poder de reação, encaixou um triângulo de braço e garantiu o triunfo. Ainda no cage, a brasileira comemorou a vitória e exaltou o seu Jiu-Jitsu.

– Eu sou a campeã, sou a melhor do mundo. Eu sou o futuro. Eu sou finalizadora e é isso que eu faço – disse a baiana, que segue invicta como profissional.

Virna Jandiroba finalizou Janaisa Morandin com triângulo de braço no 2R